Blog

Tornando uma situação ruim pior

Tornando uma situação ruim pior

Viver com mesotelioma pleural maligno (MPM) apresenta uma infinidade de desafios para aqueles diagnosticados com a doença. É conhecido por ser um tumor agressivo ligado à exposição ao amianto. A sobrevivência é, na melhor das hipóteses, limitada pelas probabilidades contra os pacientes. Não existe cura até à data, embora as terapias sistémicas tenham tido impactos mínimos na sobrevivência a esta forma mortal de cancro.

Complicações do COVID-19

Quando a COVID-19 entrou nos Estados Unidos e criou uma pandemia, uma das principais prioridades era proteger aqueles com “doenças pré-existentes” que pudessem comprometer ainda mais o sistema imunitário. Perto do topo em gravidade estava e permaneceu mesotelioma em qualquer forma.

A combinação da doença e do vírus pode trazer consequências catastróficas. As comorbidades comuns incluem hipertensão, doença cardíaca isquêmica e doença obstrutiva crônica.

Um estudo recente revelou os fatos sobre pacientes com mesotelioma e diagnósticos de COVID-19 com resultados apresentados na Conferência Mundial sobre Câncer de Pulmão da IASLC 2021. Quase vinte por cento das pessoas que sofrem de MPM contraíram a COVID-19, segundo dados de um hospital de Barcelona. As taxas de mortalidade foram de 75 por cento.

As características clínicas dos estudados incluíram:

  • Idade média – 62 anos
  • Sobrevivência média – 17,8 meses a partir do diagnóstico de câncer e 0,4 meses desde o diagnóstico de COVID
  • Pacientes com histórico de tabagismo – 43 por cento
  • Pacientes que não fumam – 57 por cento
  • Pacientes que tomam anticoagulantes ou aspirina – 57 por cento
  • Pacientes hospitalizados com permanência média de 12 dias – 85 por cento
  • Pacientes que contraíram pneumonia bilateral – Quatro
  • Pacientes que faleceram – Cinco

Embora as vacinas e outras terapias ofereçam opções para os pacientes com COVID-19, aqueles que sofrem de mesotelioma não podem se dar ao luxo. Embora as estatísticas mudem, o resultado para os pacientes é o mesmo.

Compartilhar