Blog

Nova lei permite que famílias recuperem danos humanos que antes se extinguiam com a morte

A situação difícil de um homem da Califórnia e a subsequente morte por mesotelioma desempenharam um papel fundamental na decisão dos legisladores estaduais de remover uma restrição legal antipática que impedia famílias de pessoas com doenças terminais de recuperarem danos pelo sofrimento dos seus falecidos em processos civis.

Em 1º de outubro, o governador Gavin Newsom assinou o projeto de lei 447 do Senado, uma nova lei que permite às famílias cobrar indenizações por sofrimento mental em nome de entes queridos que morreram. Anteriormente, a Califórnia estava entre os poucos estados que declararam que se um demandante morresse antes do julgamento, o pedido de indenização por sofrimento morria com ele.

Homem morreu antes do processo ser decidido

Alfonso Rocciola era um morador de Novato de 82 anos. O homem atingido pelo mesotelioma contraiu a doença após décadas de exposição ao amianto enquanto trabalhava na construção na área da Baía de São Francisco. Ele entrou com ações judiciais contra os fabricantes dos produtos de amianto, na esperança de deixar uma quantia significativa de dinheiro para sua família. Ele morreu no final do ano passado, antes que isso pudesse acontecer.

É uma tática comum das seguradoras prolongar os julgamentos na esperança de que o demandante morra antes da conclusão.

Danos Humanos

A nova lei aborda um aspecto crítico de tais casos. Os danos não económicos são frequentemente a maior soma em jogo nos processos judiciais. Tais restrições existiam desde a década de 1960, porque os legisladores da Califórnia foram durante muito tempo influenciados por companhias de seguros que procuravam pagamentos limitados.

A mordida da lei tem algumas limitações, no entanto. Numa tentativa de apaziguar o setor de seguros, a nova lei expira em quatro anos.

Essa mudança estava muito atrasada. Embora o dinheiro não substitua o seu ente querido, proporcionará algum consolo às famílias que viram pais, mães, tios, tias, filhos e filhas morrerem de uma doença provocada pelo homem que a indústria sabia que mataria há mais de um século.

Compartilhar