Blog

“Um estudo de caracterização, não um estudo de exposição”

Outra dificuldade é determinar a origem exata do risco. Em Minnesota, a região conhecida como “Iron Range” produz minério de ferro a partir da taconita há mais de um século. Num estudo recente, descobriu-se que a ocorrência de mesotelioma entre mineiros é invulgarmente elevada. Os mineiros desenvolveram mesotelioma a uma taxa duas vezes maior do que seria de esperar.

Residents from nearby communities have grown concerned, worried that they too, could face an elevated risk of cancer caused by exposure to dust from the mines. The fear is that they could be the next Libby, Montana; where the entire town was declared a Superfund site, contaminated with asbestos-laden dust from the vermiculate mine that bordered the town.

O estudo da gama do ferro parece inconclusivo. Embora o relatório final não tenha sido divulgado, alguns cientistas foram críticos na concepção do estudo, com um deles comentando que era como “atirar uma flecha na parede e depois desenhar o alvo em torno dela”.

Encontrou baixos níveis de poeira mineral no ar, mas não detalhou os tipos de partículas encontradas.

Os residentes estão desapontados porque os estudos parecem nunca produzir uma resposta “completa”. Os pesquisadores observaram que se tratava de um “estudo de caracterização” e não de um “estudo de exposição”. Os mineiros e residentes querem simplesmente uma resposta à pergunta “a mineração de taconita está causando mesotelioma?” Muitas vezes, quando se trata de estudos sobre amianto e mesotelioma, a ofuscação e a falta de clareza quase parecem ser intencionais.

Compartilhar